Centro Vianei de Educação Popular

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Resumo do projeto de Educação do Campo

E-mail Imprimir
Avaliação do Usuário: / 13
PiorMelhor 
As reflexões e a produção acadêmica sobre o campo brasileiro neste inicio do século XXI saem das penumbras e da marginalidade na proposição e elaboração das políticas públicas brasileiras. Entre elas, as políticas educacionais, as quais num contexto de crise e impulsionadas pelos movimentos sociais, abrem espaço para se repensar a complexidade, a desigualdade social e do mesmo modo a especificidade do campo, do rural no Brasil. Esta conjuntura favorável à redefinição de novos caminhos e posições político-pedagógicas vem tomando corpo especialmente pela pressão e reivindicações dos movimentos sociais do campo acumulando sobremaneira antigas bandeiras de luta. Este repensar pressupõe estrategicamente  a produção  e a discussão sobre princípios filosóficos e metodológicos da Educação. Para tanto, a formação docente para o professor que atua com formação no campo e do campo é prioritária para a melhoria da qualidade e do acesso à educação dos povos que vivem no campo. Necessita-se de processos formativos que contribuam para a compreenção de que esta realidade é heterogênea, multidisciplinar e que vai além dos conteúdos formais inscritos em programas de ensino como tradicionalmente vem se praticando. Ou ainda, substanciados em propostas ditas reflexivas e progressistas, mas que na sua práxis tem reproduzido um saber urbanocêntrico, excluindo o campo enquanto categoria social e cultural.
    Esse é o objetivo desse projeto, garantir o acesso dos povos do campo à uma educação básica de qualidade, através de um programa de formação continuada de gestores e educadores do campo, no território da serra catarinense. Esse projeto é resultado de um ano de atuação com Educação do Campo na Serra Catarinense (financiado pelo MEC/FNDE em 2007),  essas atividades  foram  propostas pelo Centro Vianei de Educação Popular, uma Organização Não Governamental, que trabalha desde 1983 com ações de educação popular e Agroecologia na Serra Catarinense. Esta Instituição vem ao longo de 30 anos atuando e compartilhando experiências com inúmeras organizações, instituições e movimentos sociais nacionais e internacionais. Das atividades desenvolvidas vale ressaltar a contribuição em parcerias para a realização de Curso de Especialização em Educação e Movimentos Sociais, Curso para Formação de Professores de Escolas Multisseriadas cursos e assessorias nas áreas da agricultura familiar, agroecologia e meio ambiente.
    Nesses encontros  além dos enfoques sobre as políticas de educação do campo, educação como ato político, as contribuições de Paulo Freire para o entendimento de educação e da prática docente, de leitura e posicionamento do mundo, constitui-se num espaço de valorização, de trocas de experiências, de compartilhamento de projetos, angústias e soluções coletivas. Criou-se um espaço de reflexão sobre a atividade docente no campo, das dificuldades com crianças que se deslocam diariamente para escolas situadas nos espaços urbanos. E também reflexões que perpassam a vida cotidiana, a organização social e as questões culturais. Muitos docentes aliam a atividade de professor com os trabalhos na agricultura familiar.
    Do Resultado dessa atividade, surgiu a necessidade de dar continuidade aos cursos, não somente uma nova etapa, mas também a re-edição dos mesmos (havia restrição de vagas na primeira oferta) e  desenvolver um processo de formação continuada para os docentes que  atuam com jovens e crianças do campo. Essa é uma proposta que inclui atividade de pesquisa e de formação envolvendo três categorias estratégicas neste processo: gestores de educação, docentes  que atuam com escolas e educação do campo e no campo e representantes de movimentos sociais. A médio prazo pretende-se a elaboração de um programa de educação do campo para o território da serra catarinense, alicerçado em políticas públicas para este setor. É preemente a a articulação de uma Política Territorial de Educação do Campo, com princípios e proposições construídos e defendidos coletivamente sobre a Educação do Campo.  É com esses horizontes que estão sendo propostos os seminários municipais, as conferência micro-regionais e a conferência regional de Educação do Campo, pretende-se criar as condições para a constituição de um Fórum permanente sobre Educação do Campo, que poderá se constituir no espaço de reflexão, proposição e atuação conjunta dos municípios.